Instagram

domingo, 25 de maio de 2008

Viver é muito bom.

Viver é tão prazeroso que dá vontade de continuar, continuar. Sofro, como todo mundo, mas as minhas dores, decepções e frustrações ainda não foram fortes o suficiente para me desmotivar. Quando pareço zangado, minha veemência não nasce de amarguras, mas da inquietação espiritual de perceber que as coisas não caminham como deveriam.
Gosto de viver, ninguém se engane. Só não quero camuflar minhas dores "porque um líder religioso não pode expor suas inquietações publicamente". Faço eco às palavras do Fernando Pessoa: "Arre, estou farto de semi-deuses!". Quando escancarar os porões de minha alma, não desejo fazer tipo ou posar de "autêntico". Faço "literatura tempestiva" (considero que sites e blogs como um novo tipo de literatura, a "tempestiva") sem envernizar o texto, sem lapidar os conceitos e sem temer escrúpulos e censuras ideológicas. Sento diante do computador como terapia; quando escrevo, de certa maneira, lavo a alma, expulso falsos demônios e alvejo antigos dilemas encardidos.

Gosto de viver, só não quero acostumar-me com as desigualdades econômicas. Não aceito que um artista, atleta ou empresário ganhe mais do que uma nação inteira. Se pareço meio irritadiço é porque não acho que uma bolsa feminina custe o salário anual de um trabalhador. Uma xícara de café não pode valer mais do que um dia suado de um camponês. Por favor, não me peçam para continuar com o discurso pequeno burguês dos evangélicos brasileiros de que esses desmantelos fazem parte de um plano misterioso (maravilhoso?) de Deus que condena milhões de crianças a uma sub-existência.

Gosto de viver, só não quero satisfazer-me de chavões. Ficou provado que as minhas indagações não dizem respeito a uma multidão de crentes. Pelo contrário, eles se escandalizaram quando foram informados de minhas reflexões teológicas. Para uma montanha de teólogos, ousei mexer no que não devia; para a grande maioria dos crentes, cutuquei no vespeiro de assuntos que só deveriam nos interessar depois da morte - "Deus nos esclarecerá no céu". Mas eu comecei a ler alguns pensadores que me antecederam e senti uma enorme sintonia com suas meditações. Adorei ler a biografia da Simone Weil, os pensamentos do Abraham Heschel, as considerações do André Comte-Sponville, os conceitos pós-colonialistas do Juan Luis Segundo, a sensibilidade do Henri Nouwen; e na carona deles, comecei a pensar em voz alta. Se tais pensamentos são tão perniciosos que eu precise ser calado, lamento, porém não me intimidarei.

Gosto de viver, só não quero atrelar meu conceito de vida aos legalismos imbecis dos fariseus de plantão. Não vou deixar de apreciar a música do Chico Buarque, a literatura da Isabel Allende, a poesia do Fernando Pessoa ou o cinema do Almodóvar, porque alguns religiosos não toleram que "gente do mundo" seja inteligente e elegante na sua produção artística. Se os meus novos gostos fizeram de mim um enófilo esporádico e um poeta amador, não permitirei que me inibam com falsas culpas; sinto-me feliz.

Gosto de viver e estou disposto a degustar cada dia que me sobrar aqui na terra. Vou continuar correndo e me preparando para maratonas; vou continuar estudando ciências da religião e teologia; vou continuar lendo e citando meus autores prediletos. Não quero provocar e nem contender com ninguém, desejo, tão somente, cumprir o que o apóstolo Paulo recomendou: "Tudo o que vocês fizerem, quer comam quer bebam, façam para a glória de Deus".

Soli Deo Gloria.
Por Ricardo Gondim.

quinta-feira, 1 de maio de 2008

ACORDE PARA VENCER ...

Quando o relógio despertar, agradeça a Deus pela oportunidade de acordar mais um dia. O bom humor é contagiante. Espalhe-o. Fale de coisas boas, de sonhos, de amor. Não se lamente.

Comece a sorrir mais cedo. Não viva emoções mornas e vazias. Cultive o seu interior. Extraia o máximo das pequenas coisas. Seja transparente e deixe que as pessoas saibam que você gosta e precisa delas. Repense todo o seu valor. Tudo o que tem que ser feito merece ser bem feito.

Torne suas obrigações atraentes, tenha garra e determinação. Não trabalhe só pela obrigação, mas pela satisfação da missão cumprida. Transforme os seus movimentos em oportunidades.

Não inveje! Admire! Sinta entusiasmo com o sucesso alheio, como se fosse o seu. Ocupe seu tempo crescendo, desenvolvendo habilidades. Só assim não terá tempo de criticar os outros. Tenha fé, muita fé. Acredite, pois você pode tudo que quiser!

Finalmente, ria das coisas à sua volta, de seus problemas, de seus erros. Ria da vida. E ame, antes de tudo a você mesmo.

A gente é capaz de ser feliz quando é capaz de rir da gente mesmo!
Por José Emilio Menegatti.

Paciência

"Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados... Muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia. Por muito pouco a madame que parece uma "lady" solta palavrões e berros que lembram as antigas "trabalhadoras do cais"... E o bem comportado executivo? O "cavalheiro" se transforma numa "besta selvagem" no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar... Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma "mala sem alça". Aquela velha amiga uma "alça sem mala", o emprego uma tortura, a escola uma chatice. O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela. Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado... Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais. Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus.

A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta. Pergunte para alguém, que você saiba que é "ansioso demais" onde ele quer chegar? Qual é a finalidade de sua vida? Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta.

E você? Onde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai agüentar?
Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar? A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você ama vão parar? Será que você conseguiu ler até aqui?

Respire... Acalme-se...

O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência... NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL, SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA.

Se você conseguiu chegar até aqui nessa leitura, parabéns! Você acaba de se revestir um pouco desse ouro refinado que vem do alto."

Por Arnaldo Jabor

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...